Brasil Mergulho - A referência em mergulho
 

Principal     Artigos > Conhecimentos Gerais
  
Imprimir Favoritos Recomende
Recifes Artificiais Marinhos:
Uma Proposta de Conservação da Biodiversidade e Desenvolvimento da Pesca Artesanal

Recifes Artificiais Marinhos, são estruturas rígidas de grande porte, normalmente construídas à base de concreto ou materiais obsoletos de indústrias (carcaças de navio, plataformas de petróleo desativadas, pneus, etc.), que submersas propositalmente ou por acidente no meio aquático marinho, servem de substrato para o desenvolvimento da fauna e flora típicas dos ambientes rochosos.

Do ponto de vista estrutural, o termo "recife" é impróprio tendo em vista a natureza não biológica do substrato. Entretanto, desde que tenham tamanho e forma adequados e estejam submetidas a condições ambientais que não restrinjam o crescimento dos organismos, o resultado final da colonização biológica de estruturas submersas artificialmente, assemelha-se às comunidades encontradas em recifes naturais, costões rochosos do infralitoral, parcéis e lajes submersas.

Baseado nisto, o Instituto Ecoplan do Paraná com a ajuda do Centro de Estudos do Mar, criaram o Programa RAM, onde tem como objetivos a conservação da biodiversidade, desenvolvimento da pesca artesanal, incentivo ao turismo subaquático e pesca esportiva, além de desenvolver pesquisas na Costa dos estados do Paraná e Espírito Santo.

O projeto, com grande repercussão ambiental e sócio-econômica, visa recuperar a diversidade biológica em regiões costeiras atingidas pela ação do homem. Desde sua fase inicial, em janeiro de 1997, o Programa RAM, implantou centenas de sistemas recifais no assoalho submarino, gerando áreas protegidas na plataforma, e prevê ainda a instalação de um total de mais de 14.000 recifes na costa do Paraná.

A prática de submergir estruturas para criar artificialmente ecossistemas semelhantes aos fundos rochosos de lajes e parcéis vem sendo empregue a muito tempo. Desde 1600 o Japão submerge substratos duros em áreas costeiras, criando ambientes artificiais de colonização biológica, objetivando a exploração de seus recursos pesqueiros. Esta técnica vem sendo aplicada com bons resultados em diversos países com o objetivo de recuperar e aumentar a diversidade biológica em regiões costeiras impactadas pela ação do homem, trazer benefícios sócio-econômicos em escala regional referentes a indústria da pesca esportiva e turismo náutico e proporcionar mecanismos que facilitem o manejo dos recursos pesqueiros.

Nos Estados Unidos, por exemplo, o assentamento em grande escala de recifes artificiais tem sido praticado nos últimos 30 anos como uma ferramenta útil ao manejo pesqueiro. Anualmente são investidos cerca de US$ 1 milhão para o financiamento de 500 projetos ao longo da costa americana, a maioria na Flórida, onde o interesse na criação de novos locais de pesca e conservação cresce a cada dia.

Recentemente, mais uma etapa do programa RAM foi concluída com sucesso, o naufrágio planejado de duas balsas. Também em fase implantação está o naufrágio do navio Victory 8B na costa do Espírito Santo, em Guarapari.

Com os resultados obtidos, o governo deveria incentivar a criação de projetos idênticos ao Projeto RAM, pois com um baixo custo, estaríamos ajudando a conservação marinha, além de novos pontos de mergulho e consequentemente, gerando mais empregos. Outro grande exemplo, são os navios afundados na Flórida, que além de conservar, ajudam a circular algo em torno de U$ 25 milhões com o mergulho em naufrágios.

Programas de proteção e recuperação de áreas altamente impactadas pela pesca de arrasto utilizam-se de recifes artificiais, como navios obsoletos e blocos de concreto, para criar áreas de exclusão, através da ciação de uma reserva da pesca, permitindo a recuperação da fauna e flora marinha.

Na Espanha foram obtidos bons resultados com o uso de recifes artificiais para a proteção de fundos de fanerógamas submersas (tipo de vegetação de fundo), permitindo a conservação da fauna e flora marinhas e o aumento da pesca local.

 

Apoio:

- Associação Paranaense de Atividades Sub-aquáticas (Roberto Baracho - (41) 9981-4733 / 232-0198)
- Atlantes operadora de mergulho
- Capitania dos Portos do Paraná (Ministerio da Marinha)
- Centro de Estudos do Mar
- Empresa Votorantin Cimentos
- Instituto ECOPLAN (Paraná)
- Laboratório de Materiais e Estruturas - LAME - COPEL - UFPR
- Laboratório Central de Pesquisas  - LAC - COPEL - UFPR
- Ministério da Ciência e Tecnologia através do Programa de Apoio ao Desenv.o Cientifico e Tecnologico - PADCT
- Prefeitura de Pontal do Paraná
- Sub-programa Ciências Ambientais (CIAMB)

 

Colaboração para este artigo:

- Frederico Brandini e Ariel Scheffer - Centro de Estudos do Mar
- Roberto Baracho - Associação Paranaense de Ativ. Subaquáticas


Momento da implantação do recife artificial


Recife artificial sendo levado
para o mar


Mergulhador e um mero


Meros nadam calmamente ao
lado de um recife artificial














 
  Topo
 
     
    Termos de Uso     Mídia     Anuncie     Fale Conosco  
     
    Parceiros  
 
     
Apoiamos
Daniel Botelho
Instituto Laje Viva
Revista Mergulho
Coral Restoration Foundation    
Projeto Meros do Brasil    
Conexões

 
   
  O site Brasil Mergulho é integrante da Brasil Mergulho Produções e foi criado com a missão de oferecer informações sobre Mergulho e todos os assuntos relacionados de forma qualificada, rápida e gratuita. O Brasil Mergulho Produções não se responsabiliza pelo conteúdo exposto, não comercializa produtos e não atua na área de cursos e treinamentos de mergulho. Caso você não concorde com algum conteúdo exposto neste portal ou possua alguma dúvida em relação aos termos de uso do portal, entre em contato com nossa equipe para mais esclarecimentos. Publicidades e campanhas aqui veiculadas, não refletem nossa opinião. Mergulhar requer cursos e treinamentos.